Página Principal de Nilma Lacerda - escritora, pesquisadora e professora

Sobre a Obra

Criação que respeita a inteligência dos jovens

Nas obras de Nilma Gonçalves Lacerda, um belo exercício de imaginação e intertextualidade

Característica da criação artística contemporânea, a reelaboração de obras antecedentes não é novidade. Shakespeare utilizou temas e tramas de poetas italianos e, por sua vez, Victor Hugo apropriou-se de alguns dos seus sonetos. Hoje são frequentes as citações, homenagens e variações sobre temas conhecidos no cinema, na música e na literatura. Assim o artista valoriza textos muitas vezes esquecidos, utiliza personagens já imaginados que voltam em situações novas e linguagem atual. Esse artifício é usado nos três volumes que integram a coleção Fantasias, de Nilma Gonçalves Lacerda, um brilhante exercício de imaginação e intertextualidade que resulta em três originais e deliciosas narrativas.

Em Finalmente uma garota tenta convencer o pai a lhe dar um animal de estimação e, enquanto não consegue, "cria" as mais variadas espécies: desde um enorme dinossauro, que a salva de feras pré-histórias, até um inofensivo peixinho dourado, cada um com sua própria história, numa sucessão intensa e rica de imagens significativas. Os desenhos em cores suaves, de Angela Amarante, demonstram a sensibilidade e empatia da ilustradora com a narrativa.

Fingimentos lembra o poema de Prévert ambientado numa sala de aula. Enquanto Ulisses parece atento ao que diz a professora, vive em sua mente as maiores aventuras, motivadas, algumas vezes, pelo tema tratado em classe. Seus heróis podem ser pessoas reais como Vasco da Gama, Albert Sabin e Santos Dumont, ou personagens de ficção, como Alice e Peter Pan. Belos desenhos em cores fortes tomam as páginas por inteiro e criam o cenário das várias narrativas, marcando a estréia auspiciosa de Marcelo Ribeiro.

Fantasias é a concretização do título: uma menina brinca remexendo no baú de guardados de sua mãe e de lá retira os elementos com que se vestirá e viverá cada personagem de sua imaginação. Ela é em sequência Sherazade – musa inspiradora – pirata, bailarina e tantos mais. Outro belo texto introspectivo, acompanhado por grandes desenhos no traço da também estreante Christiane Mello.

Em Cartas do São Francisco a autora retoma o texto de Rilke dirigido a um jovem poeta e elabora uma conceituação teórica sobre literatura para crianças e jovens, também na forma epistolar.

História nascida de uma viagem pelo São Francisco

Integrante da Barca da Cultura que singrou o rio São Francisco em julho passado, Nilma revela a emoção do encontro com as pessoas simples das cidades ribeirinhas, que festejavam a presença de artistas, dos quais haviam recebido as obras anteriormente. Ao mesmo tempo tece, em linguagem poética, considerações preciosas sobre o ato de escrever, os valores éticos da literatura, a gratuidade da arte e sua necessidade para o ser humano, na expectativa de transformação e melhoria da realidade que expressa. Os desenhos em cores de Demóstenes Vargas ambientam as reflexões na paisagem do rio São Francisco.

Nilma Gonçalves Lacerda reafirma nessas obras a originalidade da sua criação marcada, lobatianamente, pela intertextualidade e pela crença na inteligência de seus jovens leitores. Aliadas a um texto ao mesmo tempo rico e coloquial, estas qualidades já a tornaram merecedora dos principais prêmios brasileiros e a colocam entre os mais expressivos nomes do gênero, na atualidade.


–––––––––––––––––––––––––––––––

Laura Sandroni
Rio de Janeiro: O Globo, Prosa e Verso
7 de abril de 2001

Nilma Lacerda © Todos os direitos reservados | Fotografias e Webdesign: Maíra Lacerda Design